COISAS DO SERTÃO: CARNE DE SOL

Carne de sol é um alimento saboroso, típico e tradicional do sertão nordestino. A carne é ligeiramente salgada e posta ao Sol em jiraus ou em varais por certo tempo. A parte externa é desidratada e a parte interior permanece úmida e macia. Algumas pessoas usam apenas a ventilação e outras o sereno (carne de vento ou carne serenada). Não confundir a carne de sol com a carne-seca e o charque. Esses processos usam mais o sal e outros procedimentos. Aliás, o charque também é nordestino, mas no Sul do Brasil encontrou melhores condições para o fabrico. Muitos fabricantes, por comodismo, dispensam o Sol e curtem a carne na geladeira, manha aprendida também pela dona de casa. A maciez, o sabor e o cheiro são inigualáveis, cativando turistas do Brasil inteiro.Em tempos passados a carne de sol recebia esse processo em lugares chamados “salgadeiras”. Mas o consumidor ao chegar a casa, colocava a carne no jirau ou varal sob o Sol, com muito cuidado diante da aproximação de urubus, gaviões e carcarás. Em Santana do Ipanema mesmo, havia a conhecida Salgadeira de Otávio Magro, na Rua Antônio Tavares, cujas mantas de carne eram acomodadas em cochos enormes de madeira. Outras eram expostas penduradas em ganchos de ferro. Uma vez em casa, manta colocada no varal, cabo de vassoura à mão e olhar constante na amplidão azul. A marcha do tempo sempre favoreceu a carne de sol, servida atualmente do sertão ao litoral dos estados nordestinos. Naturalmente a verdadeira carne de sol tem valor esticado para cima.E se a carne de sol perdeu seus hifens com a Nova Ortografia, mas não perdeu o sabor e a procura. Lembramo-nos da insuperável carne de sol da antiga pousada e restaurante “O Califa”, na progressista cidade de Arapiraca. Em Maceió era o Restaurante Carne Assada – localizado por trás do Teatro Deodoro – que fazia sucesso com esse prato sertanejo.Feijão de corda com carne de sol e manteiga de garrafa, hummm…Pedacitos de carne de sol em cima do cuscuz com leite… Amém, amém.Orgulho sertanejo nordestino, VEI.


Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *